sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Plâncton | Base da cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos

Organismos animais e vegetais
incapazes de vencer os movimentos do mar

O plâncton encontra-se na base da cadeia alimentar
dos ecossistemas aquáticos, uma vez que serve
de alimentação a organismos maiores.


O Plâncton é formado por organismos
uni ou pluricelulares, em sua grande
maioria microscópica, que flutuam
com pouca capacidade de locomoção
nos oceanos e mares, na superfície
de águas salobras, doces ou lagos.

Alguns invertebrados, as medusas e o Krill
são exemplos de plânctons macroscópicos,
ou seja, podem ser vistos a olho nu.

O plâncton é a base
da cadeia alimentar do ecossistema aquático.


Foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Pl%C3%A2ncton


O plâncton é encontrado, geralmente,
na zona costeira de mares e oceanos,
a alguns metros da superfície. Via de regra,
formam camadas que podem ter quilômetros de comprimento,
mas geralmente têm apenas alguns metros de espessura.

Estudos recentes indicam a importância do plâncton
(especificamente do fitoplâncton)
na captação de gás carbônico da atmosfera
e na produção de oxigênio. Segundo tais pesquisas,
o plâncton é a maior fonte de oxigênio, responsável
pela maior parte do mesmo na atmosfera. Porém,
essa diversidade é extremamente sensível
a mudanças ambientais, como poluição
e variações de temperatura nos mares e oceanos.

Saiba mais sobre plâncton
Base da cadeia alimentar dos ecossistemas aquáticos
.

Fonte: http://www.infoescola.com/biologia/plancton/

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Pequi | Fruto típico do Cerrado

fruto típico do Cerrado, cuja nomenclatura
vem do Tupi e significa “pele espinhenta”.


Fruto é muito utilizado na culinária sertaneja


O pequizeiro é uma árvore de copa frondosa
que pode chegar a 12 metros de altura.
Suas folhas são grandes, cada uma composta
por três grandes folíolos, cobertos
por uma penugem e com as pontas entrecortadas.

Foto: http://blogdobanu.blogspot.com.br/2011/12/pequi-macio-espinhento-afrodisiaco.html


Já seu fruto possui o tamanho aproximado
de uma maçã e uma casca verde.
No seu interior, existe um caroço revestido
por uma polpa comestível macia e amarela.
Embaixo da polpa há uma camada de espinhos muito finos,
por isso ao roer o pequi cozido, é preciso ter cuidado.

Por baixo dos espinhos
há uma amêndoa macia e muito saborosa.
A época de produção dos frutos é de novembro a janeiro.
A germinação do pequi pode demorar até um ano,
mas menos da metade dos caroços germinam.
Saiba mais sobre o pequi
fruto típico do Cerrado brasileiro
.

Fonte: http://www.cerratinga.org.br/pequi/

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Koubo | Extrato de um Fruto do agreste brasileiro

Conhecido como o ''doce do deserto''

o koubo é uma fruta muito popular
no agreste brasileiro, utilizada na culinária do norte
e nordeste do país no preparo de doces e geléias.

Foto: http://www.sanissimo.info/public/post/koubo-esta-fruta-pode-fazer-emagrecer--88.asp


Koubo consiste num composto natural
obtido através de um cacto da espécie dos epífitos
chamado Pitaia (pitaya),
utilizada na culinária do nordeste do Brasil
e conhecida como o doce que emagrece,
por ser muito saboroso e ter uma ação
moderadora do apetite e redutora de gorduras.

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Bulgogi | Cozinha coreana

Bulgogi é um dos pratos de carne mais populares da Coréia


Bulgogi é um prato típico da cozinha coreana,

preparado de carne marinada grelhada em molho de soja,
alho picado e semente de gergelim, e servido com verduras.

Foto: http://www.trifood.com/bulgogi.asp


Bulgogi é feito de fatias finas de lombo
ou outros principais cortes de carne.
Antes de cozinhar, a carne é marinada para
melhorar o seu sabor e maciez com uma mistura
de molho de soja, açúcar, óleo de gergelim,
alho, pimenta e outros ingredientes tais como
cebolinha, gengibre, cebola ou cogumelos,
especialmente cogumelos brancos.
Às vezes, macarrão é adicionados ao prato,
que varia de acordo com a região e receita específica.

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Cajuzinho | Um doce brasileiro

Cajuzinho é um doce brasileiro
feito de amendoim, comum em festas de aniversário.


No Sul, Centro-Oeste, e no Sudeste do Brasil,
o doce é preparado com uma massa de amendoim torrado
e moído, sem pele, mais leite condensado e margarina.

Foto: http://mdemulher.abril.com.br/blogs/anamaria-receitas/2012/07/03/especial-festas-receitas-de-cajuzinho-e-bicho-de-pe-para-a-sua-festa/


Depois, é enrolado e moldado na forma
de um caju em miniatura, muitas vezes
com uma castanha na base para simular a fruta,
e finalmente envolvido em açúcar (cristal ou refinado).

Em estados do Norte e Nordeste, porém, a massa
é feita com polpa do próprio caju,
adquirindo um gosto completamente distinto.
Há algum tempo que o doce como é preparado nas regiões Sul
e Sudeste do Brasil se popularizou também nos estados
da região Nordeste, mas no lugar da castanha,
se prefere usar um amendoim torrado.
Já no Distrito Federal o doce é preparado com
amendoim torrado e moido sem pele, mais leite condensado
e chocolate em pó dando a ele uma cor
bem mais escura e um sabor marcante dando
o mesmo formato dos outros com o amendoim no topo.

É usualmente servido em forminhas corrugadas de papel.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Cajuzinho

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Fiordes | Grande entrada de mar entre altas montanhas rochosas

Fiorde é uma grande entrada de mar
entre altas montanhas rochosas.


Os fiordes situam-se principalmente
na costa oeste da península escandinava
onde são um dos elementos geológicos
mais emblemáticos da paisagem, e têm origem
na erosão das montanhas devido ao gelo.

Foto: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fiorde


Os fiordes formaram-se, originalmente, devido a ação
de imensas massas de gelo, chamadas glaciares (ou geleiras),
que se movimentam rumo ao mar
como se fossem grandes rios congelados.

Os fiordes modernos só existem em regiões costeiras
montanhosas onde o clima é, ou foi, suficientemente frio
para permitir a formação de glaciares
abaixo do nível atual do mar. Alguns glaciares,
como os existentes na Suíça, são elevados e estão
no interior do país, desta forma, não conseguem
encontrar saída para o mar; por isso não formam fiordes.
Saiba mais sobre fiordes
grande entrada de mar entre altas montanhas rochosas
.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Fiorde

sábado, 9 de agosto de 2014

Piadina | Lanche favorito dos italianos

Uma massa fininha, leve e crocante
que pode ser feita em casa sem muito trabalho


A piadina é um pão típico italiano, provavelmente
já comido pelos antigos romanos, que teriam aprendido
a fazê-la no Oriente Médio

(gregos bizantinos e os palestinos têm pratos similares).

Foto: http://blog.giallozafferano.it/cucinaplus/ricetta-originale-della-piadina-romagnola/


É há muito tempo a base da comida romanhola.
Era pobre e de tipo ázimo, mas com o passar dos tempos,
sua receita foi enriquecida com outros ingredientes.
Atualmente é um acompanhamento de vários pratos,
inclusive como lanches e doces.
Geralmente é feita com o farinha de trigo branca,
banha ou azeite de oliva, sal e água.

A massa era tradicionalmente cozida
em um prato de barro (chamado teggia no Romagno),
embora hoje em dia panelas planas ou
as frigideiras elétricas são comumente usadas.

A Piadina foi adicionado à lista dos tradicionais
produtos alimentares regionais da Itália
da região Emilia-Romagna*.


Emilia-Romagna*: A Emília-Romanha (em italiano Emilia-Romagna) é uma região
situada no Norte da Itália com quatro milhões de habitantes
e 22 124 km², cuja capital é Bolonha. Limita-se ao norte
com o Vêneto e Lombardia, a oeste com o Piemonte e a Ligúria,
ao sul com a Toscana e com a República de São Marinho.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/Em%C3%ADlia-Romanha